jusbrasil.com.br
3 de Março de 2021

Prós e contras de advogar em sociedade

Opinião do coautor Guilherme Chokailo

Advocacionando  , Advogado
Publicado por Advocacionando
há 7 meses

Você já pensou em advogar em sociedade com alguém? Ou prefere a "carreira solo"?

Eu iniciei na advocacia fundando uma sociedade e sigo assim até hoje. Vou contar um pouco dessa experiência, elencando os motivos que me fizerem tomar essa decisão e os prós e contras dessa minha escolha.

De início, pesaram a favor da minha escolha de buscar sócios para iniciar junto a caminhada na advocacia os seguintes fatores:

  • Meu pai é funcionário público aposentado e a veia empreendedora não era muito aflorada na minha família, de modo que foi mais viável começar dividindo as dificuldades (especialmente os investimentos) com sócios, do que partir para o empreendedorismo sozinho. Apesar da família apoiar totalmente a minha escolha, é diferente quando as pessoas já tem o empreendedorismo "no sangue".
  • A divisão dos riscos me deu mais segurança para começar, além do fato de que o aprendizado conjunto pôde acelerar alguns processos de crescimento.
  • Tive a sorte de encontrar dois amigos que compraram a minha ideia e eu os conhecia há vários anos, de modo que a relação era de confiança recíproca. Ao mesmo tempo, vimos que teríamos maturidade para separar as questões profissionais da amizade.

Além dos pontos positivos já mencionados como decisivos na minha escolha, o fato de advogar em sociedade proporciona que o escritório de advocacia atenda mais áreas jurídicas de forma especializada, além de dividir algumas áreas de atuação secundárias.

A divisão das funções que vão além da advocacia também é um ponto muito interessante ao advogar em sociedade: marketing jurídico, controle financeiro, planejamento estratégico, prospecção de clientes...

Com relação a pontos negativos, pode haver descontentamento dos sócios com relação à divisão dos lucros, caso não esteja tudo previamente combinado e delimitado. Como diz o ditado, "o combinado não sai caro".

Podem ocorrer insatisfações na sociedade com relação a decisões estratégias em que hajam divergências de ideias. Você quer colocar alguma ideia em prática, mas teu sócio acredita não ser o momento. Caso isso não seja bem administrado, pode causar um descontentamento que prejudicará a sociedade como um todo, pois a relação entre os sócios é como um casamento, com convivência intensa no diaadia.

No meu caso, a sociedade deu certo e estou muito satisfeito advogando dessa forma, mas não existe certo e errado. O conselho que eu dou caso a sua escolha seja igual a minha é o seguinte: diálogo constante e reuniões periódicas são primordiais para uma sociedade dar certo!

No nosso podcast você pode ouvir essa conversa na íntegra, e no próximo artigo o Rodrigo vai contar pra vocês sobre como é advogar sozinho.

Gostou do texto? Qual sua opinião sobre advogar em sociedade? Comenta aqui embaixo!

Muito obrigado!

>>LINK DO PODCAST

Por Guilherme Chokailo e Rodrigo Guerin.

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Eu comecei e permaneci a advogar sozinho, creio que seja essa a melhor escolha, encontrar um sócio com quem você não tenha problemas na divisão de lucros deve ser extremamente difícil, no início houve uma grande dificuldade no exercício da profissão, hoje em dia estou demasiadamente satisfeito em ter meu próprio escritório, e me sentir a vontade, não contrato estagiário nem secretária, toco tudo sozinho. Sou uma pessoa individualista por natureza, então me sinto muito bem só com minha própria presença. continuar lendo

E quanto tempo faz que existe essa parceria dos Drs? continuar lendo